terça-feira, 12 de maio de 2009


COMIDAS E BEBIDAS DE GOR


Alimentos e bebidas Goreanos são variados e muito abundantes. Kajiras são treinadas para servir, preparar e cozinhas uma grande variedade de receitas e alimentos. Mesmo as Mulheres Livres também aprendem a cozinhar diversas receitas. Kajiras de Tavernas (Kajiras de Paga) devem estar familiarizadas com muitos tipos de alimentos e bebidas para poder servi-los adequadamente a seus fregueses nas tavernas. Alguns alimentos e bebidas são muito semelhantes à Terra e outros são exclusivos de GOR. Esse intercambio deve explicar a grande variedade de alimentos e bebidas de GOR. Esta não é uma listagem definitiva, pois obviamente existem outros alimentos e bebidas em GOR, que ainda serão descritos nos livros.

Nem todos os alimentos e bebidas descritos a seguir estarão disponíveis em todos os lugares de GOR. Alguns são itens regionais que seriam muito raros fora de seus lugares de origem. Nem todas as tavernas irão ter estoques de todos estes produtos. Alguns itens seriam muito caros para uma taverna de médio porte manter em estoque, tais como o VINHO NEGRO e o VINHO FALARIAN. Outros itens seriam tão raramente pedidos, que iriam gerar pouco lucro para uma taverna se fossem estocados. Por exemplo, uma Taverna de Paga em “Thentis” iria ter pouca necessidade de estocar Coalhada de Leite Fresco, uma bebida própria dos Povos dos Vagões.


BEBIDAS




ALE (CERVEJA):

Nas regiões do Norte, como Torvaldsland, têm uma ale forte. Ale é uma bebida rara fora das terras do norte. Em torvaldsland, seria normal ser servido em um chifre. Nas tavernas do sul ou em Torvaldsland, seria simples ser servido em um copo ou uma taça.

“A cerveja é uma bebida produzida a partir da

fermentação de cereais, principalmente a cevada maltada, e acredita-se que tenha sido das primeiras bebidas alcoólicas a serem desenvolvidas pelo homem.”

“Ale é um tipo de
cerveja produzida a partir de cevada maltada usando uma levedura de fermentação alta. Estas leveduras fermentam a cerveja rapidamente, proporcionando um sabor adocicado, encorpado e frutado. A maioria das ales contém lúpulo que ajuda a equilibrar o sabor adocicado e preservar a cerveja. O outro grande tipo de cervejas é o Lager que é de fermentação baixa.”

“Ales são comuns no
Reino Unido, na Irlanda, na Bélgica, na Alemanha, e nas províncias orientais do Canadá e entre os bebedores mais tradicionalistas nos Estados Unidos. O termo alemão para fermentação alta é "obergärig" e o francês "Haute fermentation".”

“Em geral as cervejas Ale demoram de 3 a 4 semanas para serem produzidas, no entanto, algumas variedades podem levar até 4 meses.”

“A criação das cervejas é atribuída aos cimérios, por volta do ano 3000 AC. Eles faziam cerveja Ale em menos tempo do que atualmente por que eles não adicionavam lúpulo. Cervejas Lager levam mais tempo e tendem a ser menos adocicadas.”

História da Cerveja ALE

“Antes da introdução do
lúpulo na Inglaterra pelos holandeses no século XV o termo "Ale" era aplicado exclusivamente para fermentações indesejadas em bebidas. O termo cerveja foi introduzido aos poucos para descrever uma bebida fermentada com infusão de lúpulo. Esta distinção não é mais utilizada.”


“Geralmente é necessário adicionar um agente amargante para equilibrar o doce do malte, além de atuar como conservante. Antes da popularização do lúpulo, era utilizado uma mistura de diversas ervas e especiarias chamada de Gruit, que era fervida no mosto.”


“Cervejas ale eram uma bebida importante no mundo medieval como um acompanhamento para as refeições, tanto quanto o pão.”


“A palavra 'Ale' provavelmente deriva do inglês antigo ealu, que por sua vez deriva do Proto-indo-europeu *alut-, que tem a conotação de "bruxaria, magia, posse, intoxicação".”

CERVEJA RENCE:

Cerveja é comumente disponível em comunidades mais simples. É cozida e fermentada a partir de sementes maceradas e do caule da planta Rence. Seria muito rara a sua disposição em uma taverna.


CHÁ BAZI:

Este é um chá medicinal que tem muitas variedades diferentes. Considere todas as variedades de chás da Terra e poderá ver a pultiplicidade de possibilidades do Chá Bazi. A maioria das pessoas parecem esquecer que o chá Bazi tem essa variedade.
Chá Bazi é uma bebida comum de GOR, usufruida por castas altas e baixas. É geralmente servida quente e com muito açúcar. Pode ser servido de dois modos.





Modo Tradicional (formal) – Atinge o nível da cerimônia do chá Japonês. O Chá é cuidadosamente servido em 3 pequenos copos, que são bebidos em uma rapida sucessão. Diversos açucares e leites podem ser adicionados. Tal forma de servir é feito raramente ou nunca em uma Taverna de Paga. É mais provavel ser servido assim em uma casa propria de familia.

Modo Informal – Não tem tanta cerimônia é uma forma simples de servir o chá. Bebe-se em copos de tamanho regular, com ou sem açúcares e leites. Algumas tavernas podem ter uma jarra de chá pronto para alguns clientes. Bolos e Chá Bazi são populares em viagens de férias em GOR.

História do Chá

Origem e disseminação do chá “Historicamente, a origem do chá como erva medicinal útil para se manter desperto não é clara. O uso do chá, enquanto bebida social data, pelo menos, da época da dinastia Tang.
Os primeiros europeus a contactar com o chá foram os
Portugueses que chegaram ao Japão em 1560.

Em breve a Europa começou a importar as folhas, tendo a bebida tornado-se rapidamente popular, especialmente entre as classes mais abastadas em
França e Países Baixos. O uso do chá em Inglaterra é atribuído a Catarina de Bragança, princesa portuguesa que casou com Carlos II de Inglaterra) e pode ser situado cerca de 1650.”

A palavra chá


“O
carácter chinês para chá é 茶, mas tem duas formas completamente distintas de se pronunciar. Uma é 'te' que vem da palavra malaia para a bebida, usada pelo Dialecto Min-nan que se encontra em Amoy. Outra é usada em cantonês e mandarim, que soa como cha e significa 'apanhar, colher'.

Esta duplicidade fez com que o nome do chá nas línguas não chinesas as dividisse em dois grupos:
Línguas que usam derivados da palavra Te:
alemão, inglês, dinamarquês, hebraico, húngaro, finlandês, indonésio, italiano, letão, tamil, sinhala, francês, neerlandês, espanhol, arménio e latim científico.

Línguas que usam derivados da palavra Cha: hindi, japonês, português, persa, albanês, checo, russo, turco, tibetano, árabe, vietnamita, coreano, tailandês, grego, romeno, swahili,
croata.”

Influências sobre a saúde

“O chá é tradicionalmente usado nos seus países de origem como uma bebida benéfica à saúde em vários aspectos. Recentemente, cientistas têm se dedicado aos estudos dos efeitos do chá sobre o
organismo, bem como a conhecer melhor as substâncias que promovem esses efeitos. Todos os tipos de chá possuem praticamente as mesmas substâncias, porém em concentrações muito diferentes devido aos processos de preparação.











Estudos sugerem que o chá tem muitas propriedades benéficas importantes, por exemplo: é anticancerígeno, aumenta o metabolismo, ajuda o sistema imunológico, reduz o mau-hálito, diminui o stress, tem efeitos sobre o HIV. É no entanto necessária alguma precaução em relação a estas conclusões, porque não existem praticamente resultados científicos conclusivos e além disso alguns dos estudos feitos (particularmente na China) têm por detrás grandes interesses económicos.


É no entanto de salientar que o excesso de consumo, ou o consumo de chá mal conservado ou mal preparado, têm também efeitos negativos para a saúde. Em particular, o chá possui
fluoretos (provocam osteoporose e artrite e são cancerígenos), cafeína (provoca doenças do sono), e oxalatos (provocam problemas renais). Mas, em geral, pode-se dizer que o chá tem sobretudo efeitos benéficos, porque todas estas substâncias têm efeitos benéficos se ingeridas em pequenas quantidades.”

VINHO NEGRO (CAFÉ):

Esta bebida é como o café, feita de um grão cultivado na cidade montanhosa de Thentis. É muito forte e amargo. É tradicionalmente servido muito quente, com cor açúcares amarelos ou brancos e leite, em pequenas tigelas.


Outros açúcares, especiaria e cremes também podem ser servidos com ele. As tigelas podem ter pequenas alças ou não. Em alguns aspectos, é como o café expresso. Nas cidade proximas ao Rio Vosk e algumas cidades do norte, a frase “segundo escravo” indica que vocês não quer creme ou açucares no seu Vinho Negro. Isso vem do costume que em algumas regiões duas kajiras servem o Vinho Negro.


A primeira kajira é responsavel por limpar as tigelas, pega-las e de ver que a bebida é preparada de acordo com o gosto de seu senhor. A segunda kajira apenas serve o Vinho Negro. Em algumas regiões, há serviços mais formais de servir o Vinho Negro, tais como na região de Tahari. Thentis não comercializa o grão para fazer esta bebida. Em thentis, é comum ser servido nas casas da castas altas. É um luxo caro fora da região de Thnetis, acessivel a apenas os mais ricos. A maioria das Tavernas de Paga não servem Vinho Negro devido a sua raridade e custo elevado.
“O café é uma
bebida produzida a partir dos grãos torrados do fruto do cafeeiro. É servido tradicionalmente quente, mas também pode ser consumido gelado. O café é um estimulante, por possuir cafeína — geralmente 80 a 140 mg para cada 207 mL dependendo do método de preparação.”

História

“A história do café começou no
século IX. Originário das terras altas da Etiópia (possivelmente com culturas no Sudão e Quênia) e difundido para o mundo através do Egito e da Europa. Mas ao contrário do que se acredita, a palavra "café" não é originária de Kaffa — local de origem da planta —, e sim da palavra árabe qahwa, que significa "vinho", devido a importância que a planta passou a ter para o mundo árabe.


Uma
lenda conta que um pastor chamado Kaldi observou que suas cabras ficavam mais despertas ao comer as folhas e frutos do cafeeiro. Ele experimentou os frutos e sentiu maior vivacidade. Um monge da região, informado sobre o fato, começou a utilizar uma infusão de frutos para resistir ao sono enquanto orava.


O conhecimento dos efeitos da bebida disseminou-se e no
século XVI o café era utilizado no oriente, sendo torrado pela primeira vez na Pérsia.


Na
Arábia, a infusão do café recebeu o nome de kahwah ou cahue (ou ainda qah'wa, do original em árabe قهوة). Enquanto na língua turco otomana era conhecido como kahve, cujo significado original também era "vinho". A classificação Coffea arabica foi dada pelo naturalista Lineu.
O café no entanto teve inimigos mesmo entre os árabes, que consideravam suas propriedades contrárias às leis do profeta
Maomé. No entanto, logo o café venceu essas resistências e até os doutores maometanos aderiram à bebida para favorecer a digestão, alegrar o espírito e afastar o sono, segundo os escritores da época.”

CHOCOLATE QUENTE:

Chocolate Quente é feito a partir do grão do cacaueiro que vem dos trópicos. Trata-se de uma rica e cremosa bebida. Nem todas as Tavernas tem esses itens.

“O chocolate é um
alimento, encontrado na forma pastosa, sólida e de bebida doce ou amarga, feito a partir do cacau; antes dos espanhóis chegarem às Américas, os astecas já conheciam o cacau. Com ele, faziam um líquido escuro que chamavam de xocoatl (do náuatle xococ "amargo" + atl "água"). Em 1502, a ilha de Guanaja, habitada pelos astecas, povo místico e religioso, recebeu a esquadra de Colombo. O navegador foi um dos primeiros europeus a provar o sabor do chocolate.”

História do chocolate

“O chocolate vem sido usado como bebida desde o começo de sua história. O registro mais antigo do uso de chocolate data de muitos séculos atrás. Em Novembro de 2007, arqueologistas encontraram vestígios da mais antiga plantação de
cacau numa região de Puerto Escondido, em Honduras, que data de 1100 a 1400 a.C. Os resíduos encontrados e o tipo de recipiente em que estavam indicam que o uso do cacau não era apenas como bebida, mas que a parte branca que envolve os grãos de cacau era usada como fonte de açúcares fermentáveis para uma bebida alcoólica. A civilização maia cultivava o cacau em seus quintais e usavam as sementes para fazer uma bebida amarga. Documentos a respeito dos hieróglifos maias dizem que o chocolate era usado para fins cerimoniais assim como no cotidiano. Os resíduos de chocolate numa peça de cerâmica maia de Río Azul, na Guatemala, sugerem que os maias já bebiam chocolate por volta do ano 400 d.C. No Novo Mundo, o chocolate era consumido numa bebida amarga chamada xocoatl, e era geralmente temperada com baunilha e pimenta. O xocoatl, acreditava-se, combatia o cansaço.

O chocolate também era um bem luxuoso e importante na América Central pré-colombiana, e os grãos de cacau eram usados como moeda. Povos europeus e da América do Sul vêm usando o chocolate para o tratamento de
diarréia há centenas de anos. Todas as áreas conquistadas pelos astecas eram obrigadas a plantar cacau e pagar um imposto em grãos.

Até o século XVI, os europeus nunca tinham ouvido falar da popular bebida dos povos das Américas do Sul e Central. Não foi até a conquista dos astecas pelos espanhóis que o chocolate passou a ser importado pela
Europa, onde rapidamente se tornou um favorito da corte. Para acompanhar a alta demanda da nova bebida, o exército espanhol começou a cultivar o cacau em plantações onde trabalhavam escravos nativos. Mesmo após a produção do cacau se tornar algo comum, apenas a realeza e os ricos podiam se dar ao luxo de consumir essa cara importação. Logo, os espanhóis passaram a cultivar o cacau em plantações, usando mão-de-obra africana escravizada para administrá-las. A situação era outra na Inglaterra: qualquer um com dinheiro poderia comprar o chocolate. A primeira chocolataria de Londres foi inaugurada em 1657. Em 1689, o famoso médico e colecionador Hans Sloane desenvolveu uma bebida de leite com chocolate na Jamaica que foi inicialmente usada por boticários, mas mais tarde vendida para os irmãos Cadbury.


Por centenas de anos, o processo de fabricação do chocolate permaneceu o mesmo. Quando a Revolução Industrial chegou, muitas mudanças ocorreram e trouxeram o alimento para a forma em que o conhecemos hoje. No século XVIII, máquinas de espremer manteiga de cacau foram criadas. Isso ajudava a fazer um chocolate mais consistente e durável. A partir daí, o consumo do chocolate foi popularizado e espalhado pelo mundo todo.”



SUCOS:
Há uma variedade de sucos em GOR como existem inumeras frutas. Suco de Larma é a mais popular em GOR.













LEITE:

Leite de Verr (Cabra), Bosk (Vaca) e Kailla são os mais comuns. Leite Quente é também bebido. Leite de Kailla é avermelhado e possui um sabor salgado e forte, pois possue grande quantidades de sulfato de ferro. Há Vendedores de leites em cidades como na Terra.









VINHO FALARIAN:

É um vinho que é extremamente raro. Diz-se que é vendido ao preço de tanto ouro que compraria uma cidade. Existe alguma indicação de que não existisse, mas apenas Ubars ou ricos comerciantes poderiam possuir uma de suas preciosos garrafas. Tavernas de paga não possuem esse vinho.






COALHADA DE LEITE FERMENTADO:

É uma bebida alcoólica entre os Povos dos Vagões (apesar da coalhada normal não ser alcoólica). É uma bebida muito rara de se achar fora da região dos Povos dos Vagões.

KAL-DA:

Está é uma bebida alcoólica que é servida quente, quase a ponto de ferver. É feita de Vinho KA-LA-NA diluído, misturado com sucos cítricos e especiarias. É mais barato e mais popular entre as castas baixas. A maioria dos guerreiros não gosta de beber KAL-DA.

“Pela descrição do KAL-DA, a bebida mais similar em nossa cultura Brasileira seria a mistura entre a SANGRIA e o VINHO QUENTE que é uma variação do QUENTÂO de festas juninas”

“A sangria é uma bebida ou
coquetel feita com base numa mistura de vinho tinto, sumo de fruta e pedaços de frutas e açúcar. Pode levar outras bebidas como aguardente (cachaça, no Brasil). Deve beber-se bem fresca e com cubos de gelo.


Em
Portugal tradicionalmente adicionam-se especiarias (pau de canela) e ervas aromáticas frescas (hortelã).”

“Quentão é uma
bebida quente tradicionalmente servida durante as quermesses e festas juninas. no Brasil. É relacionada às noites frias do período em que ocorrem estas festas, sobretudo no estado de São Paulo. Consiste em uma mistura aquecida de aguardente, gengibre, açúcar e especiarias. Segundo o folclorista Amadeu Amaral, em O dialeto caipira, é uma palavra de origem caipira.
Outra bebida popular, tipica também da
comida caipira e quase uma variação do quentão é o vinho quente.”

“Vinho quente é uma bebida servida durante as
quermesses e festas juninas do interior de São Paulo e consumida também em outras regiões do Brasil.


É uma variação do quentão, normalmente são usados os mesmos ingredientes, menos o gengibre e em quantidades diferentes.”

KA-LA-NA:

Este é uma variedade forte de vinho tinto comum em GOR, brilhante e seco, feito a partir do fruto da arvore KA-LA-NA. A fruta também pode ser utilizada para fazer vinhos leves, secos e doces. Há realmente uma grande variedade de tipos deste vinho. Muitas cidades fazem suas proprias marcas e muitas pessoas tem as suas preferências pessoais. O Nectar dos Jardisn Públicos de Escravos de BOLETO é uma marca de KA-LA-NA servido nos jardins públicos de escravos em AR. BOLETO é um famoso vinicultor das proximidades de AR. Ele é famoso pela produção de um grande número de bons KA-LA-Nas. KA-LA-NA é vendido normalmente e servido em garrafas.



Diz-se que este vinho faz qualquer mulher se tornar uma escrava, em média de uma hora. Um vinho branco existe em GOR e há referências nos livros que levam a concluir isso, ou outra cor, KA-LA-NA podem existir. Não há passagens nos livros que o KA-LA-NA é apenas vermelho.

MEAD (Hidromel):

È feita com mel fermentado, água e as vezes especiarias. È principalmente bebido no norte e mais favorecido nas tavernas de lá. Seria raro encontrar esta bebida em uma Taverna de Paga.

“Hidromel é uma bebida alcoólica
fermentada à base de mel e água, a proporção da produção é de uma parte de mel e duas de água. Consumida desde a antiguidade, sua fabricação é anterior à do vinho e seguramente à da cerveja.


Na
Grécia clássica se chamava "melikraton" e pelos romanos era conhecida pelo nome "agua mulsum", ainda que esta possa ser uma variante feita com vinho de uva adocicado com mel.
Plínio conta que foi Aristeu quem criou a primeira fórmula do hidromel.

Outras culturas antigas consumidoras desta bebida foram os
celtas, os saxões e os vikings. Também era conhecido o consumo de uma bebida similar pelos maias.

Existia a tradição de que os casais recém casados deveriam consumir esta bebida durante o primeiro ciclo lunar após as bodas para nascer um filho varão. Daí surgiu a tradição atual da lua de mel.



Na Mitologia Nórdica, o hidromel aparecia como a bebida favorita dos deuses.
Nas obras de
J.R.R.Tolkien, J.K.Rowling, C. S. Lewis, Bernard Cornwell, entre outros se faz uma menção a esta bebida.”





PAGA-SA-TARNA (UISQUE):

Esta palavra pode ser traduzida como “Prazer da Filha da Vida” e é comumente chamado de “PAGA”, para ser abreviada. Seu nome completo é raramente usado. É uma bebida fermentada feita do grão AS-TARNA. É provavelmente a mais popular bebida alcoólica em GOR. Existem muitas variedades, geralmente nomeado pela sua cidade de origem, tais como AR, TYROS, KO-RO-BA, HELMUTSPORT, ANANGO E TAHRNA.


A principal diferença nestas PAGAS normalmente são as especiarias ou grãos adicionados. PAGA é normalmente servida em temperatura ambiente. PAGA também pode ser servida fria ou quente, que é mais popular em COS e as terras do NORTE. Alguns afirmam que se sinta os efeitos de PAGA mais cedo, se for aquecido. No exterior das tavernas de COS e TORVALDSLAND, você precisa especialmente solicitar que sua PAGA seja aquecida. PAGA é uma bebida forte, e comumente é cortada com água nas tavernas. Ela pode ser comprada de comerciantes em Garrafas ou Botas.

“Uísque (em
inglês whisky ou whiskey) é uma bebida alcoólica destilada de grãos, muitas vezes incluindo malte, que foi envelhecida em barris. Whisky é o nome que os escoceses dão à sua famosa aguardente de cereais produzida à base de cevada maltada, cevada não maltada e milho. Na América e na Irlanda usa-se a palavra whiskey para definir um tipo de aguardentes quase idêntico.”

VINHO PALM:

Este é um vinho de grande exportação, a partir da cidade de SCHENDI. Não houve descrição deste vinho nos livros, ou qual seria sua coloração e sabor, sendo essas desconhecidas.

SUL PAGA (VODKA ou CAUIM):

Esta bebida alcoólica é feita a partir de SULS, uma raiz como a batata. É mais forte como a vodka ou aguardente. É claro, quase sem gosto, e muito forte. É servido Pa temperatura ambiente. É raramente disponível fora de uma aldeia camponesa. Seria uma raridade em uma Taverna de Paga encontrar Sul Paga disponível.

“A vodca ou vodka (em russo, водка; em polonês, wódka) é uma popular bebida destilada, incolor, quase sem sabor e com um teor alcoólico entre 35 e 60%. A vodca é a bebida nacional da Rússia. O nome vodca é o diminutivo de "água" (agüinha) em várias línguas eslavas, contudo não se tem certeza da origem etimológica, que poderia ser apenas uma coincidência.”

“Cauim é uma
bebida alcoólica tradicional dos povos indígenas do Brasil desde tempos pré-colombianos. Ainda é feito hoje em áreas distantes ao longo do Panamá e da América do Sul. Cauim é feito através da fermentação da mandioca ou do milho, às vezes misturados com sucos de fruta. Os índios de Kuna de Panamá uso plantains.
Uma característica interessante dessa bebida é que a matéria-prima é cozinhada, mastigada e recozida para a fermentação, de forma que enzimas presentes na saliva humana possam quebrar o amido em açúcares fermentáveis. (Este princípio também era originalmente usado no
Japão para fazer saquê.)”



VINHO TA:


Este vinho é feito a partir das famosas UVAS TA de COS. As UVAS TA tambpem crescem em áreas fora de COS e o vinho também pode ser feito a apartir dessas uvas. Assim, diferentes cidade têm as suas proprias variedades de VINHO TA. A Cor deste vinho nunca foi descrito nos livros.





LICORES TURIANOS:

Os vinhos TURIANOS são doces, licorosos, saborosos e muito açucarados. Seus vinhos são feitos especialmente para que vocês possa adicionar varias especiarias e açúcares à ele. Eles tem um gosto específico. Os LICORES TURIANOS são considerados como os melhores de GOR.







Muitos vinhos de GOR são muito fortes, de 80 a 100 graus alcoólicos. A maioria dos vinhos da Terra, em comparação tem apenas cerca de 12 graus. Assim, o vinho pode normalmente ser diluído com água. Isso ocorre muitas vezes quando o vinho está sendo bebido em uma refeição em casa, em certas festas e algumas tavernas.


VASILHAMES:



Há certo número de vasilhames para beber em GOR. Existem restrições sobre quais copos ou tigelas geralmente são usados para servir uma determinada bebida.
PAGA e VINHO TA podem ser servidos em quase qualquer vasilhame. As maiorias das tavernas ordinárias terão vasilhames mais baratos de metal ou cerâmica. Eles não terão vasilhames de ouro ou prata. Apenas as Tavernas mais caras podem ter tais itens.
Taças, de diversos materiais, são os vasilhames mais comuns das Tavernas. Algumas taças tem anéis, talvez quatro ou cinco, ao redor da área da boca do copo que permite visualizar até onde seu copo pode ser enchido, são como linhas de graduação.
As vezes vasilhas diferentes são utilizadas.








  • KRATER de vinho, é uma tigela para diluir, é usado para misturar o vinho e a água. “KRATER” é um antigo termo grego que significa “Tigela de Mistura”. Se o vinho não é diluído, também poderá ser servido em quantidades muito pequenas.










  • KYLIX, um antigo termo grego, é uma taça com pés e duas alças laterais.













KANTHAROS é um como mais profundo com pés mais altos e alças mais largas para ser pego. Ele deriva da palavra grega Cântaro.






Alguns povos usam CHIFRES para beber.















BOTA é um saco de couro comumente utilizado para PAGA e VINHOS. A maioria das BOTAS são feitas de pele de VERR (Cabra). Uma BOTA é espremida para liberar um fluxo de líquido. BOTAS são geralmente transportados por viajantes, que são portáteis e não estão sujeitos a quebrar. Uma BOTA não seria servida dentro de uma Taverna de Paga. VINHO TA e PAGA também podem ser vendidos em garrafas de diversos tamanhos.




HYDRA é outro termo grego, é uma vasilha alta.
Curioso é que as vasilhas Goreanas são quase todas derivadas de fontes Gregas.

ALIMENTOS



Existem muitos tipos de alimentos em GOR e todas as mulheres, livres ou kajirae, aprendem a preparar uma grande variedade de refeições. Especialmente Kajirae treinadas a preparar intrincadas combinações, muitas delas com um toque afrodisíaco.



“SA-TASSNA”, que significa literalmente “MÂE DA VIDA”, é a grande palavra GOREANA para “CARNE”, embora também pode referir-se a “ALIMENTO” em geral.

FRUTAS:

Estas incluem frutas semelhantes as da Terra como Damascos, Bagas (Amoras), Cerejas, Tâmaras, Uvas, Melões, Azeitonas, Pêssego Amarelo, Pêra Amarela, Ameixas, Romãs, Uvas Passas e Morangos.

CEREJAS

As cerejas são como os frutos de mesmo nome da Terra. Elas podem ser utilizadas para tortas, doces, geléias, ou servidas frescas. Em GOR esta fruta doce é comumente cultivada em TYROS.
As cerejas de Tyros são famosas, bem como suas azeitonas. Existe uma variedade de Melão de cor amarelada com listras vermelhas à sua volta. As azeitonas Turianas também são muito populares.

LARMA



Uma Kajira que deseja o toque de um Mestre pode ajoelhar-se diante dele, e lhe oferecer uma LARMA como uma mensagem de necessidade. BerriesA Variedade dura como uma Maçã é usada para cozinhar, por exemplo, na boca de um TARSK (JAVALI). Pode ser frita, com molho de mel, ou talvez um molho de manteiga com mel. O tipo que lembra uma laranja é mais destinada à comidas frescas.

Há também frutos indígenas em GOR. Estes incluem Larma (tipo de maçã cítrica), uma variedade mais dura e uma outra mais suculenta. A variedade, mais dura é de cor avermelhada com casca crocante como uma maçã. Possui uma única semente, como uma grande pedra. Se uma escrava oferece uma LARMA a um Mestre, é uma violação aos fundamentos. A outra variedade é mais semelhante a uma Laranja.

RAMOS DE AMORAS (OU JABOTICABAS)



Bagas são um excelente acompanhamento para muitas refeições. Elas são frequentemente secas para serem servidas em bandejas de frutas, tortas e bolos recheados. Além disso, bagas fazem uma bela sobremesa, servida com coalhada, nata fresca doce, ou chantilly.
Ramos de Bagas são pequenos, frutos suculentos avermelhados com sementes comestíveis, como se fossem pequenas ameixas (A melhor descrição para esse fruto seria nossa JABOTICABA ou AMORAS).



TOSPITS

O TOSPIT (LIMÂO) é uma fruta branco-amarelada, do tamanho aproximado de uma ameixa. Tem bastante polpa e um gosto azedo e meio amargo. È comumente comido fatiado com mel, utilizado em xaropes, sucos ou utilizado como condimento. Ele geralmente tem um número impar de sementes, exceto em raros casos, de uma variedade de haste longa. Marinheiros comem essa fruta para evitar doenças e as vezes é chamada de Larma dos Marinheiros.

UVAS-TA

Usadas para fazer VINHOS, como o VINHO-TA. Como a maioria das uvas para vinho, elas são bastante acidas e são mais bem usadas em bandejas de frutas, quando combinadas com Queijos Leves e Pães.

UVAS TA podem ter origem na ilha de COS, embora agora sejam cultivadas em muitos locais de GOR. Podem ser do tamanho de uma pequena ameixa e muitas vezes são descascadas por escravos antes de serem comidas.



DAMASCOS



Damascos podem ser servidos frescos, assados, ou feitos bolos e biscoitos. Damasco também pode ser servido como um licor e como geléias, doces e conservas. Damascos podem ser cortados pela metade e usados para decoração ou fazer conservas e usados para rechear pasteis.

TÂMARAS

As Tâmaras são cultivadas nos oásis de Tahari e são maravilhosas servidas frescas, em um prato. As Tâmaras prensadas em tijolos podem ser usadas para fazer biscoitos ou tortas.
MELÕES

Parece existir uma variedade enorme de Melões de formas e tamanhos diferentes. A única coisa que é coerente entre os Melões é que todas as variedades raramente são servidas de outra forma que não cortadas frescas. Um Melão podem ser recheados com castanhas e gelados para serem sobremesas. Servidos com AS-TARNA e QUEIJO, ou Pão Preto, Manteiga e Mel para fazer um café da manhã excepcional.




PÊSSEGOS

Auto-explicativo, os pêssegos podem ser usados em tortas, geléias, servidos frescos, fatiados em bandejas de frutas ou saladas de frutas. Além disso, podem ser utilizados por Kajiras como uma forma de incentivar o uso das mesmas pelos Mestres quando os servem inteiros, maduros e frescos.




AMEIXAS




Ameixas são melhores servidas frescas, em bandejas de frutas ou fatiadas em saladas de frutas. Como opção, pode ser assada em aguardente, e o molho resultante pode ser usado em ensopados mais ricos ou em carnes de Tarsk e Aves.



PASSAS

Passas podem fazer parte de pães de cereais. Elas podem ser adicionadas em ensopados, carnes de aves campeiras ou Verr (cabra), onde o doce das passas combinado com as especiarias pode dar uma sabor agre-doce às carnes.



VEGETAIS:

Estes incluem legumes semelhantes aos da Terra, tais como Repolho, Cenoura, Milho, Alho, Cogumelos, Cebolas, Ervilhas, Pimentão, Abóbora, Rabanete, Abobrinha e Nabo. Há também os vegetais indígenas de GOR, como Katch, Korts, Suls e Vangis.

KATCH

Katch é um vegetal de folhas, semelhante ao alface, repolho e espinafre. O Bulbo é como uma castanha, de pele grossa e esférica, com cerca de seis centímetros de largura. O Interior é amarelo, fibroso e muito semeado. Ela cresce na região de Tahari e é frequentemente servida fatiada com queijo derretido e noz-moscada.

SULS

Suls são tubérculos como batatas ou mandiocas. Eles são grandes, de pele grossa, com fécula e polpa amarela (Muito mais a cara de nossa Mandioca). Há milhares de maneiras de se preparar e servir suls.
KES
Kes é uma raiz secundaria do Arbusto Kes, de cor azul e salgada.

SA-TARNA

Este é um grão amarelo e com grampos muito difundido e cultivado em GOR. Existe uma variedade cultivada perto de castanheiras e em Tahari foi desenvolvida uma que suporta as temperaturas mais quentes daquela área de GOR.
A maioria dos terrenos que cultivam SA-TARNA estão próximos de moinhos. É utilizado para fazer o popular PÃO SA-TARNA.
Este pão é assado no forno e comumente feito em forma de pães planos e redondos (como o pão sírio). Grandes pães são comumente cortados em pequenos pedaços e oito pães em quatro. O pão pode ser servido com mel, queijos derretidos, manteiga derretida ou manteiga normal. Como existem oito pedaços de uma moeda Tarsk de Cobre, o pão também é cortado dessa forma.
Existem outros grãos disponíveis em GOR. Um tipo de Pão Preto que é mais comum em castas baixas. È mais barato e tem qualidade inferior ao de SA-TARNA.

SOPAS E ENSOPADOS

Estes são muito populares em GOR e vêm em muitas variedades. Uma dessas sopas é feita a partir das Folhas da Árvore TUR (proveniente da Região de TURIA), Suls, Kes e mais alguns ingredientes.
Ensopados de carne e hortaliças são muito comuns nas castas baixas.

MINGAU

Existe um mingau de Sul, Aveia e Grãos. Todos são temperados e algumas pessoas preferem faze-los elas mesmas. Um grupo de pequenos potes com especiarias e condimentos geralmente é levado junto com o mingau.


CARNES

As carnes mais comuns são de TABUK, BOSK, TARSK e VERR. TARSK é bastante salgada, como a carne de porco. Muitas destas carnes são assadas em brasa. Elas são servidas em uma grande variedade de maneiras. Nas tavernas, cubos de carne podem ser cozidos e servidos com uma variedade de molhos. Carnes podem ser recheadas. VULO é a principal carne de Ave Campestre. A carne de VULO é uma carne branca (Lembra frango, mas a ave tem o aspecto de um pombo de tamanho grande). Seus ovos também podem ser cozidos.


FRUTOS DO MAR

Existe uma variedade de peixes e crustáceos, incluindo carpas, mariscos, ostras, enguias, lagostins, caviar, tubarões e parsits. O Peixe Voador Azul Cosian de quatro espinhos é um pequeno e delicado peixe e tido como uma especiaria, especialmente seu fígado. Um Cardume de peixes deixa um minúsculo ovo branco como sementes, são caviar de grunt. Nas águas equatoriais, a maioria dos peixes são venenosos para se comer, devido a certas algas que
ingerem, que são inofensivas à eles. Os peixes de rio, por outro lado, são bons para consumo.

OUTROS ALIMENTOS GOREANOS

Manteiga e queijos de Verr, Bosk e Kailla são comuns. Arroz e feijão também são comuns.




WAKAPAPI:

Esta é uma palavra da língua dos Selvagens Vermelhos, que significa “PEMMICAN”. PEMMICAN é uma palavra usada pelos nativos americanos da Terra para descrever certo tipo de alimento, semelhante à um que existe em GOR. Bolos de Pemmican são molesm feitos de varias maneiras, dependendo de qual tipo de carne, ervas, tempero e frutas que se acrescentam. Uma forma comum em GOR é pegar tiras de carne seca KAILIAUK cortadas e bate-las até virar um pó fino. Depois de adicionar frutas maceradas, comumente cerejas, na carne. Este é, então misturado com a Gordura de KAILIAUK e, em seguida, divididos em pequenas pedaços de bolos arredondados. È normal serem levados para caçadas e para guerras.

TEMPEROS

Existem muitos tipos de especiarias e temperos incluindo noz-moscada, canela, cravo, vários sais, incluindo o vermelho e amarelo e fortes pimentas. A região de TAHARI é conhecida por alimentos muito picantes.




SOBREMESAS



Sobremesas são muito populares em GOR especialmente com kajirae. Chocolates, Pudins, Pasteis de Creme e Manjares, Melaço, Mel, Doces Duros, Paus de Hortelã, Saboroso e Gelados Sorvetes e Castanhas Picadas são comuns.

Muitos Doces são de frutas cristalizadas. Existem pelo menos quatro variedades diferentes de açúcares, incluindo o branco e o amarelo. Nem todos os tipos de açúcares estão listados embora diversos outros tipos de açúcares coloridos possam existir. Açúcar Vermelho é uma possibilidade real. TASTAS, também conhecido como Pau Doce, são suaves, arredondados, suculentos, doces e geralmente cobertos com um revestimento de xarope, e montado em uma vara como um doce de maçã ( quase como uma Maça do amor). Doces são recompensas comuns para kajirae cuja dieta é bastante saborosa.

DIVERSOS

Há pouco frio em GOR. A maioria dos alimentos é preservada por estarem salgados ou secos. Gelo é cortado de lagos no inverno, e então armazenados em “casas de gelo” sob serragem. Pode-se ir a um dessas Geladeiras para obtê-lo, ou tê-lo entregue a partir de vagonetes de gelo. O gelo é um luxo caro, especialmente no verão. Poucas Tavernas de Paga tem áreas de refrigeração. Seria muito mais comum para eles armazenar certos alimentos e bebidas numa caverna para mantê-los frescos, embora não seja muito frio.

Uma ânfora de duas alças é uma vasilha pequena com um gargalo estreito, geralmente com a base pontuda. É um recipiente de armazenamento de líquidos e é geralmente colocado em um buraco no chão de armazém a noite, para mate-lo fresco.



Os talheres mais comuns utilizados em GOR são Facas e Colheres. Existe um tipo de forcado (lembra um garfo com 3 pontas), para a mesa, inventado em TURIA. Não é comum ver ser utilizado fora desta Cidade. Os Ricos de outras cidades podem utilizar esse equipamento. Comer com garfo seria algo muito raro em Tavernas fora de TURIA.





Goreanos são pessoas muito sociáveis e desfrutam de jantares e festas. Em tais eventos, é uma honra senta-se entre as tigelas de sal Vermelho e sal amarelo. Isto indica o seu Status e alta condição. Festas Turianas têm um jantar exclusivo, onde são consumidos pratos na maior parte da noite e podem ter mais de 150 pratos diferentes. É exigida uma etiqueta diferente para cada tipo de prato servido. Os hóspedes podem utilizar uma pena ou bastão pomposo para banquetes, mergulhado em óleo perfumado, e uma tigela para vomitar, feita de ouro, entre os pratos servidos. Diferentes vinhos são normalmente servidos com cada tipo de prato. Especialmente escolhidos para complementar a cozinha.

Não há a expressão Restaurante em GOR. Existem cozinhas públicas, onde as pessoas podem obter uma refeição, mas são mais locais funcionais do que sociais. Pode-se obter alimentos nas Tavernas de Paga e nos Cafés, mas esses estabelecimentos servem para muitas outras funções. Não há lugar social onde simplesmente pode-se ir para comer que seria semelhante ao restaurante da Terra.

sábado, 2 de maio de 2009












BDSM X GOR

Gor é mais um aspecto do BDSM? Quais são as semelhanças e diferenças entre GOR e BDSM? Este é um tema que tem sido muito abordado em inúmeras comunidades virtuais e reais, em vários debates e discussões. No entanto, ainda há confusão sobre este assunto para que haja razão em tentar, mais uma vez, comparar e contrastar estas duas praticas. O público em geral vê GOR como um subconjunto do BDSM. Isto é evidente, quando os meios de comunicação mencionam GOR e como eles inevitavelmente fixam à imagem do BDSM. Além disso, há pessoas envolvidas em BDSM, que vêem GOR como um aspecto do mesmo, bem como Goreanos que também vêem GOR como parte do BDSM. Por favor, notem que eu vou tratar aqui principalmente sobre generalizações para facilitar a compreensão. Não pretendo com este texto ofender e intervir nas idéias de ninguém. Pode haver exeções a esta generalização, mas que por si só, não invalidam a generalização em si.

Vamos começar com algumas informações básicas sobre GOR. Jhon Norman, professor universitário de filosofia, escreveu 27 livros retratando o mundo ficcional de GOR e muitos mais serão publicados no futuro. Norman tem escrito mais cinco (05) outros livros romanceados e dois (02) livros de não-ficção. Uma dessas obras de não-ficção chama-se “SEXO IMAGINATIVO” (Imaginative Sex), que foi publicado em 1974 e é comumente visto como um dos primeiros guias para D/S (Dominação / Submissão) relacionado com livros publicados nos tempos modernos. Em 1974, havia poucos livros não-ficionais retratando D/S. A BIBLIA DO LEATHERMAN (Leatherman Bible) foi um dos únicos outros livros em versão impressa, neste momento. Como o Sexo Imaginativo tem fortes ligações a alguns dos livros de GOR bem como, em seguida, inicialmente, podemos notar que é provável que exista, pelo menos, alguma conexão entre GOR e D/S. Mas temos de ter cuidado para não terminar nossas considerações ainda.


Também devemos começar a analisar algumas definições para nos ajudar em nossa discussão, não apenas de “BDSM” e “D/S”, mas também o que queremos dizer quando nos referimos a “GOR”. Para cada um destes termos, não são definições precisas, uma vez que cada termo abrange uma ampla variedade de aspectos. Basta pensar de alguns dos inúmeros aspectos que muitas vezes caem sob o rótulo de BDSM e D/S, como o Bondage, Disciplina, Sadismo, Masoquismo, Dominação, Submissão, escravos, Switchers, Jogos de Sangue e role-play. Isto não é de forma alguma uma lista exaustiva. E cada pessoa envolvida no BDSM e D/S tem as suas próprias preferências pessoais de que áreas podem e gostam de praticar. Além disso, para alguns isso é tudo ligado ao sexo. Mas para outros, é um estilo de vida mais profundo que afeta muitos aspectos de sua vida, e não apenas no aspecto sexual. Diversidade é uma palavra-chave na definição do BDSM e do D/S.

Dentro da Comunidade Goreana, a diversidade é também a chave que define GOR. Para simplificar a questão, podemos separar os envolvidos ativamente na comunidade Goreana em três grupos principais. Estamos, portanto, excluindo as pessoas que estão mais envolvidas passivamente, aqueles que simplesmente gostam de ler os livros (temos também as pessoas que não são Goreanas de verdade, nem fãs dos livros, e que apenas dizem-se Goreanos para fins negativos ou para difamação da cultura e filosofia de GOR, estes, no entanto jamais devem ser considerados Goreanos e nem sequer BDSMs). Os nossos três grupos, são divididos em: GOREANOS VIRTUAIS (Jogadores de Role-Play ou interpretação de papéis), GOREANOS FILÒSOFOS e GOREANOS REAIS (Life Stylers). Por favor, entendam também que há muita diversidade dentro de cada um desses subgrupos. Estes são grandes categorias que abrangem muitas diferenças. Eles são úteis para uma discussão geral, embora estejam cientes das diferentes linhas de pensamento. As pessoas podem pertencer a mais de um desses grupos, sem nenhum conflito.


No seu sentido básico, o GOREANO VIRTUAL (Jogador de Role-Play) é um apreciador da ficção que usam GOR como um cenário para um jogo ou interpretam seus personagens dentro deste cenário, agindo de determinadas formas. É uma forma de entretenimento, embora possam ter seus aspectos educativos. Role-Playing pode envolver “captura”, onde as pessoas tentam escravizar outras e “combate”, onde as pessoas podem duelar entre si, por vezes, a uma morte virtual. Alguns que preferem o role-play tentam permanecer fieis aos romances, só permitindo tipos de ações que seriam plausíveis baseadas nos livros. Outros preferem uma forma mais flexível, alterando aspectos dos livros para se adaptar às suas próprias preferências. Às vezes, estas duas escolas de pensamento podem obter preferências mais combativas.


A interpretação de papeis de um escravo, que segue de perto os livros Goreanos, pode assemelhar-se a histórias de escravidão, especialmente do tipo praticado na Roma Antiga. Escravos nos livros de GOR, são propriedades sem nenhum direito. Seu proprietário podia matá-los impunemente. Pelas normas na Terra, tal escravidão é considerada dura e brutal. Nem todos escolhem aderir a esta intimidade com os livros de interpretar esse papel de escravidão. Outros têm uma abordagem mais suave. Mas é preciso lembrar que este é apenas um jogo. Poderia facilmente ser comparado a qualquer interpretação de papeis nos cenários dentro do BDSM ou D/S. Em “SEXO IMAGINATIVO”, Norman apresenta mais de 50 cenários de interpretação de papéis sexuais, que muitas vezes envolvem dominação, opressão e escravidão. Vários desses cenários são semelhantes a acontecimentos que poderiam ocorrer em GOR.


Mas é importante lembrar que a Interpretação de Papéis Goreana não deve envolver apenas interpretações de Mestres / Escravas. Interpretações de papéis podem abranger muitos cenários diferentes como guerras históricas, a partir de romances de ação e aventura. Interpretar um papel é como viver um romance e os potenciais aventuras são limitados apenas pela sua imaginação. Existem alguns papeis Goreanos, que são principalmente para jogadores que preferem participar como Mestres / Escravas, mas isto é simplesmente uma escolha. No entanto, na interpretação de papeis, nem tudo é possível fazer.


No outro extremo do espectro, temos os GOREANOS FILOSOFOS. Estes constituem o principio subjacente do mundo de GOR que foram explicados nos livros. Existe muita evidência que indica que essa filosofia existe e se baseia em grande parte na filosofia grega antiga e nas obras de Nietzsche. Filosofia Goreana pode ser mais bem resumida pelo principio de “VIVER EM HARMONIA COM A NATUREZA”. Basicamente, todos os outros princípios filosóficos Goreanos derivam deste primário. Uma completa compreensão da Filosofia Goreana requer que uma pessoa não só leia todos os livros de GOR, mas também se empenha na leitura de obras fora da orla de GOR, para compreender melhor certos conceitos filosóficos complexos.

Curiosamente, a escravatura não é um aspecto da Filosofia Goreana. De fato, é absolutamente desnecessário para a filosofia. Escravidão é uma instituição social e cultural de GOR, e não um principio filosófico. Agora, um dos princípios derivados da Filosofia Goreana é que, em geral, os homens são dominantes e as mulheres são submissas. É simplesmente considerado uma verdade biológica, baseado na genética e na história evolutiva. Lembre-se que não estamos discutindo nada aqui, é apenas uma generalização. Mas este principio não implica que as mulheres devem ou não ser escravas. Existe uma diferença significativa entre ser submissa e ser escrava.

Note que este grupo é o menor de todos os três grupos Goreanos mencionados. Nós podemos apenas especular quanto às razões para isso. Parte da razão é que quando as maiorias das pessoas pensam que o termo “Filosofia”, pensa ser algo que utiliza mais esforço mental, e não algo para o cotidiano. Eles pensam como os antigos pensadores acadêmicos e argumentam sobre pontos esotéricos da natureza do universo. No entanto, se voltar a mergulhar na Grécia e Roma Antigas, pode ver que a Filosofia lhes foi integralmente vinculado a um modo de vida. Um filósofo vivia sua filosofia e não falava apenas dela. E como GOR é largamente baseada em tais fontes antigas, parece apropriado lidar com a filosofia dessa maneira.

Chegamos agora ao último grupo, os GOREANOS REAIS (Life Stylers). Esta é a área que mais frequentemente é comparada com o mundo do BDSM e D/S. Em geral, um Goreano Real (Life Styler) é alguém que segue a filosofia, mas que também simulam algumas das instituições da sociedade de GOR. Essa simulação é um aspecto importante da sua vida. Um Goreano Real essencialmente tem certas atitudes de um GOREANO VIRTUAL, só que as transporta para a sua vida cotidiana. Deve-se mencionar brevemente aqui que há um número de Goreanos Reais que tomam como grande ofensa os Goreanos Virtuais. Eles sentem que abala sai credibilidade e também é ofensivo fazer um jogo (fingir ser goreano) do que eles vivem realmente. Mas, por simular alguns dos aspectos ficcionais do mundo de GOR, pode-se dizer que os Goreanos Reais estão realmente empenhados em uma forma de interpretação de papéis, mais realista.

Algumas das instituições mais comuns na sociedade goreana (Os Três Pilares de GOR futuro texto deste BLOG), pelos Goreanos Reais incluem a Pedra do Lar, o Sistema de Castas e a Escravidão. (Home Stone, Castes System and Slavery). Agora, não existe nenhuma norma para que um Goreano Real seja reconhecido como tal. Você pode optar por ter uma Pedra do Lar, mas não uma Casta. Pode-se optar por ter uma escrava, mas não uma Pedra do Lar. É tudo uma questão de preferência pessoal e interpretação do grupo, embora a escravidão seja provavelmente a instituição mais comumente simulada. Fora de todos os aspectos de GOR, a escravidão ainda atrai a maioria das pessoas. No entanto, esta popularidade não representa a totalidade dos praticantes de GOR. Podemos ser ainda GOREANOS REAIS e não termos escravos ou somente apoiar a escravidão.

Quando estas instituições simulam GOR, os Goreanos Reais modificam-na para a sua realidade na Terra (dependendo de cada País ou localidade instalada) e as suas próprias preferências pessoais. Escravidão, embora legal em GOR, não é legal na Terra, por isso tem de haver certas diferenças. Universalmente, Goreanos Reais Escravistas são muito menos severos do que seriam em GOR. A escravidão não é obrigatória para um Goreano Real. Muitas vezes é chamada de “escravidão consensual”, quando a escrava consente sua condição. Ela também tem o poder de por fim à sua escravidão, a qualquer momento. Essas são escravidões em tempo real (ETR ou TR) que mais se assemelham com o que seria conhecido no BDSM e D/S como TPT ou Troca de Poder Total, embora eu prefira o termo mais comum no Brasil, 24/07 (escravidão 24 horas por dia e 7 dias por semana). Neste ponto vemos muita semelhança entre GOR e o BDSM e o D/S.


Vejamos algumas dessas semelhanças e diferenças. A Escravidão Goreana, como a do BDSM, pode implicar o uso de Coleiras, Correntes, Algemas, Cordas. Laços e muito mais. GOR e BDSM podem infringir dor em uma (o) escrava (o) ou submissa (o) em algum momento. Em geral, Goreanos apenas punem seus escravos quando necessário, por desobediência ou falta grave, não tendo o gozo pela dor, embora existam exceções. Em BDSM, é muito mais comum para a (o) submissa (o) ou escrava (o) desfrutar de prazer recebendo a dor. Tanto GOR e BDSM obviamente envolvem relações de Domínio e submissão, embora em GOR, geralmente os homens são os dominadores. Em BDSM, muitas mulheres são dominantes, muito mais do que seria em GOR (apesar de que essa atitude fere a filosofia básica de domínio e submissão). Poderíamos aqui também discutir as diferenças entre submissas e escravas, mas não é relevante para a presente discussão.


O que é mais importante salientar é que a Escravidão Goreana em TR, é um único aspecto de uma área muito maior. Se as pessoas crerem que em GOR temos apenas a escravidão, então não estão vendo a vastidão da cultura do Universo Goreano, que possui outros conceitos e idéias. A Filosofia Goreana trata de elementos de Metafísica, Epistemologia, Ética, Filosofia Política e muito mais. A inspiração vem a partir de fontes como a República de Platão, as Meditações de Marcus Aurelius e “Além do Bem e do Mal” de Nietzche. Trata-se de mais do que apenas relações pessoais, englobando também o modo como o homem interage com o governo, sociedade e natureza. Nestes aspectos, é muito mais abrangente do que no BDSM ou no D/S. BDSM e D/S são na maioria das vezes questões de relações pessoais e a interação de duas pessoas.

Quem é responsável pela fixação da crença de que GOR é baseado unicamente na escravidão? Afinal, grande parte dessa responsabilidade recai sobre os próprios Goreanos e da Comunidade Goreana. Cabe a essas pessoas que vêm a GOR apenas por causa dos aspectos da escravidão. Cabe a essas pessoas criarem sites que lidam essencialmente com aspectos de escravidão. Cabe a essas pessoas que interminavelmente discutem questões de escravidão em comunidade de relacionamentos e chats, ignorando outros tópicos. E como essas pessoas são as maiorias na internet (On-line), a mensagem de GOR fica distorcida. Por isso, pessoas que sabem pouco fazem uma imagem errada de GOR e de seus praticantes.

Felizmente, existem os que lutam contra essa imagem distorcida de GOR. Eles ajudam a ensinar as realidades de GOR. Eles postam mensagem e artigos discutindo muitos outros aspectos de GOR. Criam sites e blogs que afloram estes múltiplos aspectos, relegando a escravidão a um papel menor. Não é uma tarefa fácil, mas alguns de nós estamos prontos para enfrentar esse desafio. O objetivo final é mostrar que GOR é muito mais do que apenas sobre a escravidão. GOR não é um subconjunto do BDSM ou do D/S. Embora existam algumas similaridades entre BDSM, D/S e o GOREANISMO em TR com escravidão consensual, as diferenças são muito grandes. GOR engloba um vasto conjunto de outras questões que nada tem a ver com BDSM ou D/S.
Ocorreu um erro neste gadget